Semana morta? Ibovespa caminha para 4ª alta seguida e se aproxima dos 59 mil pontos

Após fechamento levemente positivo em sessão marcada por volatilidade e baixa liquidez na véspera, o Ibovespa iniciou a quarta-feira (28) dando continuidade ao movimento otimista dos últimos dias. Às 10h08 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira acumulava variação positiva de 0,35%, a 58.910 pontos, em dia com poucos drivers para os investidores. Caso o movimento se confirme, será o 4º pregão seguido de alta para o índice, com 2,7% de ganhos acumulados no período — o que equivale a 1.500 pontos de valorização.
Do lado dos indicadores econômicos, destaque para o fluxo cambial brasileiro na semana e as vendas de moradias nos Estados Unidos. Na política, chamam atenção as expectativas pelo veto integral do governo ao texto aprovado pelo Congresso para renegociação da dívida dos Estados, sem contrapartidas. A postura empodera o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

No mesmo horário, os contratos de juros futuros operavam próximo à estabilidade, com os DIs com vencimento em janeiro de 2021 recuando 1 ponto-base, a 11,38%, e os papéis com vencimento em janeiro de 2018 sem variação, a 11,56%. Já os contratos de dólar futuro com vencimento em janeiro de 2017 subiam 0,06%, sinalizando cotação de R$ 3,276.

Confira os destaques desta sessão:

Agenda de indicadores
O único indicador doméstico a ser divulgado nesta quarta-feira é o fluxo cambial semanal, às 12h30. Às 13h, serão conhecidas as vendas de moradias nos Estados Unidos e, às 13h30, a sondagem industrial do Fed de Dallas, também nos EUA.

Veto ao socorro a estados
Conforme informa a imprensa nacional, após reunião na véspera com os ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento), o presidente Michel Temer manifestou a intenção de vetar o projeto de socorro aos Estados em situação mais crítica. Caso isso ocorra de fato, o governo deve enviar um novo projeto ao Congresso. O principal motivo do veto foi a decisão da Câmara de derrubar praticamente todas as contrapartidas que os Estados em situação financeira calamitosa teriam que cumprir para aderir ao regime de recuperação fiscal.

Além disso, destaca-se que a reunião entre Meirelles e Temer também teve como objetivo fazer um balanço das medidas econômicas anunciadas pelo governo e avaliar possíveis novas ações.

Noticiário político
Além da agenda de Temer, o noticiário também traz como destaque diversas notícias sobre possíveis delações. Segundo a Folha, a negociação de delação premiada do marqueteiro João Santana com a Operação Lava Jato está em estágio avançado e uma das “cerejas do bolo” seria o detalhamento do uso de dinheiro da Odebrecht para pagar o cabeleireiro de Dilma Rousseff, Celso Kamura.

Ainda sobre a Odebrecht, o governo do Panamá anunciou na terça que irá cancelar um contrato de 1 bilhão de dólares com a Odebrecht para o desenvolvimento da hidrelétrica Chan II, depois de a empreiteira ter se declarado culpada na semana passada de pagamento de suborno em vários países, entre eles o Panamá.

Bolsas mundiais
Os mercados mundiais registram leves variações, com os últimos dias do ano sendo marcados por baixa liquidez e uma agenda econômica fraca. A Bolsa de Tóquio fechou em leve baixa de 0,01% nesta quarta-feira pressionada por indicadores econômicos fracos em meio a um volume reduzido de negócios. Uma queda de 20% nas ações da Toshiba contribuíram para a fraqueza do índice. O mercado seguiu pressionado pelos efeitos persistentes de dados divulgados na terça que mostraram que os preços ao consumidor caíram pelo nono mês consecutivo em novembro, minando os esforços do governo para estimular a inflação.

Além disso, nesta quarta-feira, foram divulgados que a produção industrial japonesa aumentou 1,5% em novembro, em termos dessazonalizados, ligeiramente abaixo do aumento de 1,7% esperado pelos economistas. Por outro lado, as vendas no varejo subiram 1,7% em novembro na comparação anual, a primeira alta desde fevereiro. Entre os setores que mais apresentaram aumento nas vendas estão vestuário e carros. Na China, os mercados tiveram leve queda, com a confiança dos investidores sendo abalada pelas últimas medidas de um regulador para colocar os investimentos agressivos das segurados em ações sob supervisão mais rigorosa.

Na Europa, a bolsa britânica tem leve alta na volta de Londres do feriado prolongado, com papéis de mineradoras em destaque. No mercado de commodities, o cobre avança com indicadores mostrando melhora da economia chinesa no quarto trimestre, enquanto o minério de ferro sobe no mercado chinês. Já o petróleo WTI sobe e passa de US$ 54, perto do maior nível em 17 meses, à espera de que cortes de produção reduzam o excesso de oferta global do produto.

Fonte: Infomoney
Postado por: Raul Motta Junior