Euro dispara 1,6% com movimentações na Ásia

Os mercados de câmbio viveram, neste último dia de negócios do ano, uma disparada de 1,6% do euro, que levou o dólar ao menor nível desde o último dia 8: o Dollar Index Spot, que compara a moeda americana com uma cesta de dez divisas globais, registra queda de 0,5%.

A moeda europeia subiu a US$ 1,07, antes de cair a US$ 1,0543, o que ainda representa valorização de 0,4% num dia. O movimento lembrou o salto registrado pela libra em outubro, quando operações na Ásia levaram a moeda do Reino Unido a ganhar mais de 10% numa madrugada. E vai na contramão da esperada paridade entre as principais moedas do mundo — o euro e o dólar —, projetada para se concretizar em 2017.

Assim como aconteceu com a libra em outubro, a disparada do euro se deu no início dos negócios na Ásia, quando os mercados têm pouca liquidez, e os recursos tendem a ser direcionados por ordens automatizadas (feitas por programas de computador), usados por bancos e corretoras.

— Parece que houve uma combinação de mercados sem liquidez, rebalaceamento de fim de ano contra o dólar e cobertura de posições em que os operadores estavam ‘vendidos’ com o euro acima de US$ 1,05 — disse Alvin Tan, estrategista do Societe Generale em Londres. — O fato de que os bancos reduziram as provisões de liquidez, devido a restrições regulatórias, contribui para este tipo de movimento e o torno um pouco mais estrutural. Esses tipo de ‘crash’ ficarão conosco por mais tempo.

PUBLICIDADE

DÓLAR EM ALTA EM 2017

A valorização do dólar é um dos grandes consensos entre os investidores para 2017. Isso porque a alta dos juros nos EUA, que poderá ser mais acelerada do que se imaginava, favorece a apreciação da divisa americana. Foi o que os investidores entenderam ao fim da mais recente reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), em 14 de dezembro, quando a autoridade monetária indicou que pode fazer três — e não dois — incrementos nos juros em 2017. Na sequência, o dólar disparou no mercado internacional, e diversos países se viram compelidos a elevar suas taxas de juros para conter a depreciação cambial. Contra o euro, a valorização foi superior a 1%.

O Barclays projeta a paridade para o terceiro trimestre de 2017, e que a partir daí o euro valerá menos que US$ 1. O JP Morgan Asset avalia que as duas moedas devem se igualar já no primeiro trimestre do ano que vem. No ano, o dólar acumula alta de 3,8%.

Mais recentemente, porém, surgiram alguns sinais de dúvida sobre a paridade, com analistas se questionando o quanto de apreciação Donald Trump vai tolerar, posto que o fortalecimento da moeda americana prejudicará as exportações do país.

Fonte: O Globo
Postado por: Raul Motta Junior